A nova série da Netflix, Atypical, lançada dia 11 de agosto, tem ganhado muitos corações ao redor do (inclusive o meu) e a identificação com algum dos personagens é uma certeza que eu te dou. Nós vemos de forma engraçada e sutil como um adolescente autista enfrenta as confusões dessa fase tão complicada. 

Atypical, nova série da Netflix - Review O Gabriel Lucas - #OGL

Imagem promocional da série Atylical

Sam é um adolescente (amante assíduo da Antártica) que sente que é chegada a hora de começar a namorar, mas o fato de ser autista dificulta sua comunicação com as garotas, além de fazer com que seus pais não gostem muito da ideia. Para superar isso ele conta com a ajuda da irmã mais velha, Casey, do amigo Zahid, o maior “garanhão” que ele conhece e de suas pesquisas. 

Atypical, nova série da Netflix - Review O Gabriel Lucas - #OGL

Sam (Keir Gilchrist) e a irmã Casey (Brigette Lundy-Paine)

Além de acompanhar essa autodescoberta pela qual Sam passa, a série lhe tira várias risadas, falando de alguns temas mais densos de forma leve, te fazendo refletir sem aquela pressão de cenas dolorosas e, às vezes, traumatizantes. 

Ao desenrolar da nós não só acompanhamos a jornada do Sam, mas também da sua família com as e dramas que vão aparecendo aos poucos. Sobre sua aproximação com o pai. As novas experiências de sua irmã que, apesar de bastante protetora, é só mais uma adolescente. E de sua mãe, que se sacrificou muito para amenizar o sofrimento do filho.  

Atypical, nova série da Netflix - Review O Gabriel Lucas - #OGL

Sam (Keir Gilchrist)

A série mostra como ele mesmo reage ao mundo ao seu redor e como as pessoas reagem ao fato de ele ser (atípico), mesmo ele se considerando uma pessoa completamente normal. 

Apesar de os terem cerca de 40 minutos, a série é tão leve e divertida que quando você percebe já acabou. Aliás, aguardamos ansiosamente pela segunda temporada. E vocês? O que acharam? Deixem suas opiniões nos comentários! Não esqueçam de dar uma olhada na coluna de séries!