A Bela e a Fera, a mais nova live-action  dos estúdios Disney, conseguiu trazer para a telinha a mesma magia e encantamento da animação musical de sucesso de 1991.

A Disney recriou com riqueza de detalhes a animação, realizando um cópia fiel assim como fez com Mogli e Cinderela.

Neste longa, a Disney não só deu profundidade a história, como também deixou a trama muito bem amarrada, explicando e trazendo um material novo, que desde do inicio te deixa encantado.

Os roteiristas Stephen Chbosky e Evan Spiliotopoulos foram realmente minuciosos e trouxeram toda a emoção que a história merece.

A primeira vista no filme A Bela e a Fera, o que mais chama a atenção é o figurino, extremamente luxuoso e cheio de requinte, não deixa a desejar em nenhum quesito.

Cria até mesmo uma enorme expectativa para a aparição do figurino principal, o figurino que moldura a dança da Bela com a Fera no castelo, e quando o figurino principal surge, supera as expectativas.

O Diretor Bill Condom e sua equipe, tiveram uma boa dose de trabalho, pois o longa possui 45 minutos a mais que a animação, por isso, usaram de muita criatividade, para criar situações inéditas, sem fugir da narrativa clássica e não deixar o longa cansativo e fora do prumo.

Logo de inicio a canção sobre a vida da Bela deixa bem claro tudo o que precisamos saber sobre sua vida naquele vilarejo.

Com uma coreografia cheia de energia e cenários coloridos, o longa A Bela e a Fera, já deixa bem claro desde de inicio, o que a obra vai apresentar em conteúdo e qualidade.

É neste momento que a personagem Bela cria uma ligação com espectador, pois quem nunca se encaixou em algum padrão, em algum momento da sua vida? Todo mundo! Por isso é bem fácil se identificar e compreender as angustias de Bela.

A diferença entre a Bela da animação para a Bela do live-action, é que essa última herdou do pai o dom de inventar, quando no longa inventa uma máquina para ajuda-la nos afazeres domésticos, ganhando mais tempo para a sua paixão, os livros.

Com relação as canções, todas as clássicas canções da animação estão presentes, mas, com mais energia, além das canções clássicas,  mais quatro canções inéditas estão presentes.

Emma Watson não é uma cantora espetacular, mas sua atuação está formidável, é carismática e transmite toda a emoção que o personagem precisa.

O longa também consegue explicar com mais detalhes a transformação da Fera e de seus empregados, com direito a mostrar até mesmo o passado dos personagens.

No papel de Fera Dan Stevens, que está praticamente irreconhecível e interpreta uma Fera menos cruel, ou seja, mais compreensiva e aberta a mudanças.

Para quem é apaixonado pela versão anterior de A Bela e a Fera da Disney, poderá reviver todas as cenas nesta versão atual, mas com um aperitivo a mais, onde as histórias de todos os personagens são mais aprofundadas.

O longa faz um passeio pelo passado dos personagens, explica situações que antes não tiveram destaque e deixa a história muito bem amarrada.

Quero destacar, dois personagens que roubam muitas das cenas do A Bela e a Fera, Luke Evans que interpreta Gaston e Josh Gad na pele do carismático Lefou.

Gaston é o vilão, um típico cafajeste que se acha o maximo, que tem como comparsa Lefou, que tenta o tempo todo exaltar as qualidades de Gaston, demonstrando até mesmo um certo desejo por Gaston.

E o polemico beijo gay? Me desculpem, mas pra mim beijo não tem nada de polemico, gay também não tem nada de polemico, devemos simplesmente respeitar e amar as pessoas como são exatamente, suas opções sejam elas quais for, sexual, religiosa, política e etc. Devem ser respeitadas. Então pessoal mais respeito por-favor.

Mas se você ainda ficou curioso para saber como a Disney abordou esse tema no filme, e se realmente esse beijo existe, corre para os cinemas, dia 16 o filme entra em cartaz.

Se vocês querem conhecer mais curiosidades, aqui no blog tem um post sobre A Bela e a Fera e suas versões, vale a pena conferir.

Para finalizar

O remake de A Bela e a Fera traz ao espectador a mensagem de que através do amor é possível mudar, que a beleza interior é mais importante que a beleza exterior e bens materiais e que vale a pena acreditar.

Com um visual impecável, figurino luxuoso, lindas canções, personagens carismáticos e trama muito bem amarrada e contada, o longa tem tudo para ser um dos filmes queridinhos para assistir em família.

TRAILER