Este é um filme para amantes de cinema. Para amantes de arte. Para amantes de belas paisagens.

Há uma narradora , tia da protagonista. Ela nos explica como se formou essa pequena inocente figura. As duas irmãs , a e a tia da personagem principal , foram criadas da mesma maneira.

Entretanto,  a mais nova , em virtude de sua imaturidade , foi sempre alvo de homens de mau caráter, que abusavam dela emocional e fisicamente. Quando sua filha nasceu, ela decidiu que a protegeria para sempre de qualquer tipo de frustração ou tristeza.

Em busca de Fellini, um filme para amantes de arte! O Gabriel Lucas - #OGL

É um pouco (bastante, na verdade) inverídico que ela tenha seguido até seus quase vinte anos assim, vivendo contente nessa casinha antiga, decorada com florzinhas , num quarto arrumadinho, etc e tal , sem ter frustrações ou tristezas, mas o nos leva a acreditar que isso aconteceu.

Por exemplo, se um menino não aparecia a um compromisso marcado, sua mãe dançava com ela , e a tristeza passava.

Se alguém desaparecia ou morria (até o peixe do aquário), ela recebia um cartão postal dizendo que estava tudo normal, e que a pessoa , ou o animalzinho, estavam  bem , vivendo em outro estado, ou país, e mandava lembranças.

E as duas assistiam muitos antigos, todos americanos, na TV da casa. Filmes que tivessem, sempre, um final feliz.

Depois de um problema sério, sua mãe lhe pede que vá até a cidade grande, e ela vai parar num cinema, que não conhecia, para ver um filme de Fellini, de quem nunca havia ouvido falar.

Ela se apaixona pelas e pela sua linguagem cinematográfica, e resolve assistir a muitos filmes dele, em sua casa.

A um certo momento , sem muitas habilidades sociais ou para o trabalho, sem muitas aspirações, sem saber bem do que gostava ou não gostava, decide empreender sua viagem , como diz o título, em busca de Fellini.

Pela Itália. Sozinha. Com pouco dinheiro.

Encontra um pouco de tudo.

As belas paisagens. As belas cidades. A boa comida e bebida. E os italianos.

Em busca de Fellini, um filme para amantes de arte! O Gabriel Lucas - #OGL

Muitos desconhecidos têm por ela compaixão, curiosidade, são solícitos, simpáticos.

Alguns agem como predadores .

Mas o mais interessante do filme são as imagens, uma mistura de e imaginação , muitas sequências dos filmes do italiano que muitos consideram o melhor de seus cineastas. O homem venceu vários Oscars, levou palma de Ouro em Cannes, não foi à toa.

Vemos várias cenas de Julieta dos Espíritos, A Estrada da Vida , A doce vida, com closes de “Gelsomina” , a inocente figura de Giuletta Masina (esposa do cineasta, e atriz em alguns de seus filmes) que tanto encanta e encantou muita gente , mundo afora.

Para gostar deste filme, é bom ter conhecido Fellini. Mas não absolutamente necessário. Porque muitas de suas películas nos trazem imagens oníricas, sem muito sentido literal, sem muita lógica. Como se estivéssemos realmente imaginando ou sonhando, e é isso que essa garota “perdida” faz. Em alguns momentos isso pode ser até um pouco exaustivo, mas nada que torne o filme ruim.

Fellini conheceu Yung. Mas o espectador não precisa ter conhecido nenhum dos dois para entender que seu inconsciente pode aflorar em alguns momentos, pode auxiliar a ter um entendimento de si, e pode também por vezes paralisar.

A atriz tem um rostinho angelical, escolheram muito bem . Sua postura é de uma garotinha de uns 10 anos, realmente sentimos por ela uma mistura de dó e de um afeto protetor.

A se ver.


Diretor: Taron Lexton
Roteiristas: Nancy Cartwright e Peter Kjenaas
Produtores: Peter Kjenaas, Nancy Cartwright, Monica Gil, Nathan Lorch, Milena Ferreira, Taron Lexton e Michael Doven
Duração: 103 minutos
Ano: 2017
Países: EUA/Itália

Estréia 7 de dezembro