O Estrangeiro,o novo Jackie Chan, estréia hoje. Não é mais um de seus filmes padrão : pancadaria e um pouco de comédia. E sim um drama, ambientado em Londres.

Ele faz o papel de um senhorzinho de 60 e poucos anos (é o que dizem dele no filme, e, sim, ele já tem 63), que teve uma vida difícil. Passou por peregrinações por vários países, e pela morte de sua família inteira.

Vive cuidando de sua filha , e tem um restaurante.

Pois bem, a calmaria inicial do filme é logo quebrada com um atentado violento, reivindicado por uma nova vertente do IRA, em que ela morre.

Filme: O Estrangeiro, com Jackie Chan O Gabriel Lucas - #OGL

O “007” Pierce Brosnan faz com ele um duelo interessante.

No papel de um poderoso agente do governo, responsável por manter o IRA calmo, esse ex-guerrilheiro (do próprio IRA) é ameaçado constantemente pelo chinês.

Ele quer o nome dos responsáveis pelo atentado para fazer justiça com as próprias mãos.

O carisma do ex-lutador, que ainda dá várias surras em vários homens o tempo inteiro, é infinitamente maior do que o “inglês”. No filme ele trabalho para o império britânico, mas é um irlandês branquelo, peludo, e um pouco flácido.

Este aparece como um homem e manipulador, que a cada dia é mais provocado pelo outro.Filme: O Estrangeiro, com Jackie Chan O Gabriel Lucas - #OGL

Esse jogo de gato e rato é bastante divertido. É lógico que torcemos pelo pobre, sofrido, e velhinho herói.

As conexões entre os britânicos e os irlandeses permanece sempre obscura. Precisamos acompanhar todo o desenrolar da trama para conseguirmos entender tudo, entre mulheres sedutoras, homens violentos e vingativos, e os laços de poder que os unem.

O nosso velhinho não tem apoio algum. Tem apenas uma pessoa no que se importa com ele e com sua dor, a gerente de seu restaurante.

Já os terroristas e os agentes do governo contam com todo o aparato tecnológico, e o seu histórico de vida. Tentam prever seus próximos passos.

Filme: O Estrangeiro, com Jackie Chan O Gabriel Lucas - #OGL

Como o irlandês é bastante ameaçado, decide se refugiar em uma casa de campo.

Mas o destemido pai nunca para, nunca desiste, e está disposto a ir até o fim em sua busca pela justiça.

No duelo das interpretações, Jackie mostra porque é um dos mais bem pagos e bem sucedidos atores do mundo.

Ele é capaz de convencer com esse filme de estilo dramático. A ação é apenas suplemento para o enredo. Está envelhecendo muito bem.

Já o ex-James Bond não é tão charmoso assim, apesar de ser um ator razoável.

Os coadjuvantes são isso mesmo, apenas suporte para os dois grandes nomes.

É uma excelente pedida para esta semana que se inicia.