Nós, o caos O Gabriel Lucas - #OGL

Eu tento, juro que tento.

Mas é que ás vezes passamos demais escondendo o nosso lado mais obscuro,  nossa tristeza mais profunda, o vazio que sempre se faz presente. É que, nos acostumamos a receber tantos espinhos da , que criamos um muro ao nosso redor como proteção.

Aprendemos a ser de ferro enquanto deveríamos ser apenas humanos de carne e osso. Criamos um mundo só nosso e nos fechamos dentro dele.  As a nossa volta não são capazes de perceber, talvez porque não se importam, talvez porque estamos tão acostumados a disfarçar, esconder, que já viramos mestre em fazê-lo.

Mas é assim, sempre foi assim e sempre vai ser assim. Cada um por si, disputando quem é melhor. Mas sorte a minha que não entro na disputa, ao contrário, Não gosto de ser o centro das atenções, aliás, detesto. Apesar de ser uma ótima atriz e jogadora, na novela e no jogo da vida eu não quero ser reconhecida por isso.

Eu só quero a paz de poder ser quem sou, da maneira que sou, sem olhares de reprovações, sem julgamentos, críticas destrutivas ou qualquer coisa que não me permita viver a meu modo. Somos cobrados, demais e para nós que temos um vazio no peito e lutamos para que ás máscaras não caiam ás vezes é difícil segurá-las, mesmo que já estejamos acostumados a isso.

E caso esteja se perguntando, não, as máscaras não são aquelas que escondem a falsidade de alguém, elas escondem algo que muitos veem mas não se preocupam. Eles acham normal, que é só “uma fase” mas a é que não vai passar, e se passar vai levar muito, mas muito tempo mesmo pra que isso aconteça.

Nós, o caos O Gabriel Lucas - #OGLElas escondem a tristeza, a dor, a solidão, o medo, esconde todo o caos que em nós habita. Por fora somos alegria irradiante que contagia, piada que mesmo sem graça faz rir, somos a calmaria de uma tarde ensolarada longe da cidade. Somos os pássaros que voam livres rumo ao seu destino

Mas não queira ver o lado de dentro. Sim, ele já foi belo um dia, um jardim de rosas de todas as cores, com todo o perfume que tem a oferecer. Mas sempre há uma tempestade que chega destruindo tudo de belo que há. Mas depois da tempestade vem a garoa, a chuva mansa que trás a brisa leve e devolve a paz. Mas para nós o jardim aina está devastado, vazio, machucado, em puro caos.

Estamos a espera da garoa, da brisa leve que nos renovará. Mas não só tempestades fazem estragos, o sol com toda sua beleza também é capaz de murchar uma flor, e por isso ela precisa da chuva para regá-la. Assim é possível ter o equilíbrio, nós também somos como a natureza: precisamos de dias ensolarados, mas também precisamos dos dias chuvosos. Cada um deles é responsável por nos trazer coisas tanto boas quanto ruins, porém que nos trarão o aprendizado necessário.

Para nós, que vivemos em meio a tempestade, em meio ao caos durante todo o tempo, é preciso cuidado. Não conseguimos nos equilibrar entre dois estados de espírito. Sempre há exagero na maior parte do tempo da tempestade, que chega sem avisar assim como também vai embora.

Nós somos os que não conseguem ver o sol, os que tem medo da vida ou das pessoas, os que apenas querem sua , nós depressivos somos o caos instalado querendo que a chama da esperança brilhe novamente.