Baseado em um Best-Seller Literário de Gayle Forman, o filme Se eu ficar é pura sensibilidade, um drama cercado de várias histórias de amor.

Amor de família, de amizade e de amor mesmo, sabe? Aquele que aquece o coração e provoca calafrios na barriga.

Então se você gostou do filme A culpa é das Estrelas, eu te convido a assistir Se eu ficar, pois, os dois filmes tem fortes semelhanças.

O casal principal do filme formado por Mia (Chloe Grace Moretz) e Adam (Jamie Blackley), não são lá pura carisma, o que podemos ver de sobra nos pais da protagonista.

Mia é uma adolescente introspectiva, apaixonada por música, ou como podemos dizer uma prodigiosa musicista e acreditem se quiser, de musica clássica. Adam é um roqueiro, canta em uma banda em acessão e é um dos meninos mais desejados da escola, se apaixona por Mia desde a primeira vez que a vê tocando.

Mia aceita sair com Adam mesmo com muitos medos, muitas duvidas e por isso fica sempre na defensiva esperando que Adam cometa um erro e a decepcione.

Ela contraria todas as perspectivas, pois é filha de roqueiros também, bom na verdade ex-roqueiros, seus pais resolveram deixar a vida louca do rock, da musica e da banda para traz, para dedicarem-se somente aos filhos e a família.

Mas nem por isso deixaram de gostar de rock e ainda mantém uma pegada Woodstock, se é que me entendem.

E quando chega o primeiro Ápice do longa, é tão dolorido aceitar que sua família, a qual a gente já se sente parte, esteja entre a vida e a morte, devido a um acidente terrível.

Depois do grave acidente a historia se desenvolve através de flashbacks, através de cada visita, de duvidas que surge para Mia que está em coma, uma a uma das historias mais importantes do passado, é revivida em sua memória.

E são essas histórias que nos fazem conhecer a garota dedicada ao violoncelo, extremamente tímida, que se apaixona pelo cantor e guitarrista mais velho e popular do colégio.

É emocionante acompanhar a luta de Mia pela vida, que passa a circular pelos corredores do hospital, na dúvida em se vale a pena viver após ao acidente.

Quero falar da enfermeira, gente, volta e meia, ela sussurra frases de efeito no ouvida da garota desacordada e essas cenas transmite uma força, tipo, sabe quando dizem “A palavra tem poder”, então, essas cenas são exatamente isso.

A enfermeira diz frases do tipo que só ela pode decidir se quer ficar ou ir, e encaixaram como uma luva, dentro do contexto de filme.

Ao reviver junto com a Mia o seu passado, notamos o quanto ela sempre foi amada, repleta de amigos e familiares.

E por incrível que pareça, ela também percebe, ela era tão introspectiva e tímida que vivia num mundinho só dela, focada na sua musica, no seu instrumento.

E são esses flashbacks que acabam por dar sentido a sua passagem pela terra, eu digo passagem não porque eu estou dando spolier, o final você precisa assistir para descobrir.

Mas para quem já leu o livro, já sabe o que acontece no final, e o trailer também já deixa uma boa dica. Então bora assistir por que o filme é lindo.

Pra mim não se trata apenas um romance adolescente, mas de qual perspectiva vemos a vida. Apesar de ser um filme para chorar, sim ele é apelativo e cheio de clichês. Eu amei a forma como a história foi contada.

Pois é impossível não se apaixonar com as relações que acontecem.

Trailer do Filme

Bom pessoal por hoje é só.

Um bom filme à todos.

Não se esqueçam de deixar aqui nos comentários as opiniões de vocês.