Por que você está atraindo pessoas erradas para sua vida? O que está levando você a trazer tanta dor e sofrimento para si mesmo, com a presença de pessoas erradas ao seu redor?

Aqui vamos abordar este tópico. Perdoe-se e perdoe a outra parte. Mas dê um basta e diga para si mesmo(a): Eu não preciso mais! E faça disso um mantra para o seu dia a dia. Se não é do seu karma, aprenda a falar não, quando aquele NÃO bem grande, firme ( e educado) tem que ser dado. E se não é do seu dharma, não tem mais porque o problema continuar sendo seu. Não é!?

Com raríssimas exceções, todo erro é fruto daquilo que chamo do paradigma da fantasia.

“A mente destreinada frequentemente se esforça por soluções externas para a . Em um processo interminável, a pessoa constantemente busca ajustar a externa para adequá-la a seus desejos. Listas de felicidades condicionais são sempre atualizadas. A mente destreinada, portanto, passa muito no futuro, no que chamo de “mundo de fantasia”, sonhando acordada com o que parece um futuro melhor. Basicamente, esses desejos envolvem mudar o futuro de três maneiras:

  1. Obtendo coisas (novo carro, telefone, casa, etc.);
  2. Fazendo pessoas cooperarem com seus planos (como encontrando um esposo ou esposa, ou esperando que o patrão trate você melhor);
  3. Tendo a esperança de que situações favoráveis surgirão (como obter um emprego, ficar em forma ou fechar um contrato).

Como dito anteriormente, é frequente que nada significativo aconteça quando alguém atinge uma dessas metas. Desejos, uma vez que realizados, frequentemente satisfazem muito pouco, e logo outros desejos começam a exercer pressão e assumirem o centro do palco da mente. Viver assim é um dos principais componentes para se ter uma vida muito ruim.” – Trecho do livro “O Caminho 3T”

Pensando assim, facilmente atraímos pessoas erradas para nossa vida, movido a interesses superficiais e mesquinhos, como aparência, prazer sexual, visando lucro e assim por diante. Essas de ganho futuro se desmancham e ficamos com “a conta na mão”, de ter que lidar com uma pessoa que, na verdade, nada tem a ver conosco, e que não é boa para nossa vida.

Algumas vezes o erro é a longo prazo, kármico mesmo. Em outras vidas cultivamos desejos e situações que nos forçam, nesta vida, a ter que conviver com pessoas desagradáveis, normalmente na forma de membros da família. Neste caso a situação é diferente e fica valendo a dica que já passei em outros vídeos, de saber se preservar. Talvez você não possa cortar o relacionamento, mas pode criar um espaço, uma distância saudável, no devido tempo, proporcional ao grau de sofrimento que a pessoa lhe direciona.

Para as pessoas erradas que já atraiu agora, que não são membros de sua família, minha sugestão é corrigir o quanto antes o erro. Tente registrar a natureza exata do erro que lhe levou a ter esta pessoa na vida. Foi ganância? Foi luxúria? Orgulho? Intoxicação? Veja e grave, para evitar o erro novamente.

Então se afaste da pessoa. Com carinho, amor e de forma honrosa. Mas caia fora. Não se submeta a humilhação, manipulação emocional ou qualquer outra forma de abuso. É fácil saber se uma pessoa está sendo fonte de luz, força e alegria ou não em sua vida. Ninguém é perfeito, mas o “saldo final”, é facilmente percebido. Você tem o dharma de se proteger e se valorizar. Se você não se valorizar, quem vai?

Sempre lembre que você não veio aqui para sofrer, e sim para melhorar. É como o ditado, “Melhor só do que mal acompanhado”.

Aprenda, corrija e siga em sua jornada, buscando cada vez mais agir no dharma, em devoção, de forma que naturalmente atrairá para sua vida, pessoas do dharma e de confiança.

Veja este vídeo:


Este texto foi produzido por Giridhari Das, mestre espiritual brasileiro e autor de livros de autoaprimoramento e autorrealização em yoga.